sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Unicol - Pips

Resposta da Unicol à Melo Abreu?

Imagem retirada... do meu telemóvel. (uma bela merda esta foto... uma bela merda)

6 comentários:

Anónimo disse...

Está bem mlhr que a (merda) que a camapanha da HDG para a Laranjada!
Este blog é da autoria de um dos menbros da HDG certamente, nunca vi uma ferramenta de auto-promoção tão flagrante!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
E se esse comentário não for aprovado, é porque confirma-se o que foi dito acima!

Anónimo disse...

E agora que o seu comentário foi aprovado? Que mais teorias da conspiração serão inventadas? Que a HDG ganha trabalhos às custas de ter na página da sua equipa fotos de antigos colaboradores, que terão servido para conseguir angariar trabalhos?
Meu amigo, as tuas novelas estariam melhor na América Central. Pelo menos terias mais espectadores.
Get a Life.
Luis Rego.
Director Criativo da HDG Açores e como é óbvio totalmente alheio ao que é publicado neste blog.

Anónimo disse...

E qual seria o mal em promover alguma coisa através de um blog!? Será pecado? Muito pelo contrário! Seria bem mais inteligente,… sai muito mais barato do que criar e manter uma página web, visto que a grande maioria "portuguesa" gosta mais da polémica do que da verdade… e dos programas absurdos da TVI (como A CASA DOS SEGRESDOS).

Anónimo disse...

Só se pode avaliar honestamente o verdadeiro valor do ou de um objecto/produto de design quando se desconhece o seu autor/criador. Se for funcional e belo é porque é bom, de for feio ou desfuncional é mau. O verdadeiro valor do design não reside nem se sustenta na fama do seu autor. Por isso, caros visitantes, quando quiserem emitir algum juízo de valor sobre determinado objecto de design, façam-no sem referir nomes, baseiem-se na lógica, no processo e na inteligência que levou a determinado resultado ou solução.

Cá nas ilhas, o design e a publicidade (actividades de promoção e comunicação) andam demasiado colados a certos nomes. Outro aspecto a ter em conta é o cliente. Diz-me a experiência pessoal que a maioria dos "bons clientes" cá nos Açores tem muito pouca cultura visual, mesmo aqueles que são considerados nomes de referência na sociedade insular. Muitas das vezes recusam boas soluções porque não as entendem. Outras vezes adoram soluções miseráveis, porque "gostam".

Por estas ilhas as actividades de comunicação e promoção ainda são escassas, mas já vão aparecendo bons resultados, fruto dos poucos clientes/empresários que vão acreditando e credibilizando bons criativos.
Então começaram-se a produzir coisas que têm vindo a quebrar algumas fronteiras, a sair do molde "FÁCIL & BARATO".

Em relacção a este outdoor a título de exemplo:

Caso tenha sido uma solução inteiramente da responsabilidade do criador ou tenha sido o cliente a provar, resultou numa solução pobre.
Caso o cliente (que não tem necessariamente que perceber de criatividade) aceitou este serviço de coração aberto, espero que não tenha pago tanto quanto pagaria caso fosse a sua secretária a desenvolvê-lo.

O único traço de ousadia presente nesta solução é simplemente o recorte das formas que extravasam o formato... o que já vem sendo um cliché!!!
Não tem inovação a nenhum nível e a simples apresentação de um produto comercial (PIPS) sem um brinde dramático na comunicação, deixa pouco a desejar aos clientes… e muito a desejar aos outros criativos.
É uma solução que apela à lembrança directa ao produto e não (indirectamente) ao consumo do produto, como quem diz:

"PIP´S… ainda existe!!!!"



JOÃO SCOTT
joao_scott@sapo.pt

Anónimo disse...

PARTEI

Só se pode avaliar honestamente o verdadeiro valor do ou de um objecto/produto de design quando se desconhece o seu autor/criador. Se for funcional e belo é porque é bom, de for feio ou desfuncional é mau. O verdadeiro valor do design não reside nem se sustenta na fama do seu autor. Por isso, caros visitantes, quando quiserem emitir algum juízo de valor sobre determinado objecto de design, façam-no sem referir nomes, baseiem-se na lógica, no processo e na inteligência que levou a determinado resultado ou solução.
Cá nas ilhas, o design e a publicidade (actividades de promoção e comunicação) andam demasiado colados a certos nomes. Outro aspecto a ter em conta é o cliente. Diz-me a experiência pessoal que a maioria dos "bons clientes" cá nos Açores tem muito pouca cultura visual, mesmo aqueles que são considerados nomes de referência na sociedade insular. Muitas das vezes recusam boas soluções porque não as entendem. Outras vezes adoram soluções miseráveis, porque "gostam".

JOÃO SCOTT
joao_scott@sapo.pt

Anónimo disse...

PARTE II (continuação)

Por estas ilhas as actividades de comunicação e promoção ainda são escassas, mas já vão aparecendo bons resultados, fruto dos poucos clientes/empresários que vão acreditando e credibilizando bons criativos.
Então começaram-se a produzir coisas que têm vindo a quebrar algumas fronteiras, a sair do molde "FÁCIL & BARATO".
Em relacção a este outdoor a título de exemplo:
Caso tenha sido uma solução inteiramente da responsabilidade do criador ou tenha sido o cliente a provar, resultou numa solução pobre.
Caso o cliente (que não tem necessariamente que perceber de criatividade) aceitou este serviço de coração aberto, espero que não tenha pago tanto quanto pagaria caso fosse a sua secretária a desenvolvê-lo.
O único traço de ousadia presente nesta solução é simplemente o recorte das formas que extravasam o formato... o que já vem sendo um cliché!!!
Não tem inovação a nenhum nível e a simples apresentação de um produto comercial (PIPS) sem um brinde dramático na comunicação, deixa pouco a desejar aos clientes… e muito a desejar aos outros criativos.
É uma solução que apela à lembrança do produto e não ao consumo do produto, como quem diz:
"PIP´S EXITE!"


JOÃO SCOTT
joao_scott@sapo.pt